quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Mestre Serapis Bey - Livres são aqueles que se conhecem - 26/08/2018



Livres como o pássaro branco que bate suas asas pelo céu são aqueles que encontram dentro de si a morada que procuram.  Pois a verdadeira liberdade não está em nada que esteja fora de nós, mas em nosso coração, quando sentimos o que nos agasalha. 

O homem anseia pela paz no mundo, pela sua liberdade diante de todo o sistema que o aprisiona, mas não percebe que somente encontrará o que procura dentro de si. 

Aqueles que se harmonizam com o mundo são os que encontram dentro de si mesmos o ponto de apoio para se conduzirem com liberdade pela vida. Essa é a única e verdadeira revolução, a do encontro da própria essência, do autoconhecimento. 

Aquele que se desafia se conhece, porque olhou para suas próprias sombras, e ao se conhecer encontra em si a harmonia a caminhar em paz no mundo. E assim se torna livre! 

A liberdade não está em fazer tudo o que se deseja, pois enquanto houver tantos desejos em volta de ti, o ego estará escondendo sua verdadeira faceta. A liberdade está em se autoconhecer, em entrar no conforto de seu coração, em criar essa conexão com aquilo que é, para que então venha a harmonia e dela a única e verdadeira liberdade que pode existir nesse mundo. 

Mas procuram pela liberdade através de suas relações amorosas, da política, dos bens materiais, da família e de tantas outras coisas que servem apenas para os distrair de seus sentimentos, de sua e única verdade. Quando somente aquele que se agasalha em seu coração ganha a certeza daquilo que vê, e então, nesse estado, observa a vida com parcimônia e complacência, envolto por sua paz. 

A verdadeira liberdade é lindeira ao autoconhecimento, que ameniza os conflitos interiores, que conduz de maneira leve e pacífica, que cura as contradições da vida. A harmonia surge, assim, não quando o mundo se harmoniza, mas quando os conflitos cessam em nosso interior. Isso é paz e sabedoria de caminhar com liberdade! 

O ser livre carrega no peito sua história, não com mágoa, mas com sabedoria pelos aprendizados. A harmonia surge daquele que se testou diante da vida, e assim aprendeu a encontrar guarida certeira em seu coração. Então se tornou livre porque se tornou observador do mundo, dentro de sua paz. 

A liberdade é nada mais que a confiança interior de se autoconhecer, de se amar e se respeitar, livre de desejos, apenas se tornando um observador daquilo que sente. Isso é liberdade, caminhar livre com seus sentimentos, com sua verdade, independentemente do que o mundo possa te exigir. 

O pássaro voa livre porque no céu não há limites ao seu trajeto. O homem caminha livre quando na terra não há limites aos impulsos de seu coração. Assim como o pássaro encontra a paz no céu, o homem que se conhece encontra a paz na terra. 

E assim é. 

Estejam em paz. 

Sou Serapis Bey 

Canal: Thiago Strapasson - 26/08/2018 

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Pai Joaquim de Aruanda - "Não devemos lamentar o caminho "



Para mensagem em vídeo: 


Nos altos relevos se encontram as vistas mais belas. Mas para chegar até lá haverá sempre uma grande subida. E embora o trajeto possa ser inseguro, muitas vezes pesado, aquele que não lamenta sua sorte sempre terá a paz de encontrar ao lado a esplanada, o ponto de apoio, que trará alívio e paz para o descanso da caminhada já realizada. 

Mas ao ficarmos a olhar ao horizonte para ver a distância que nos falta a ser percorrida podemos nos entristecer e desistir de chegar até a bela vista que nos aguarda.  Por isso, aqueles que baixam a fronte ao chão que os avizinha andam com maior suavidade no coração, seguem com mais força. 

Sim, filhos, os humildes baixam a fronte para andar com mais leveza diante das dificuldades. Não olham tanto ao horizonte, nem ao que resta a caminhar. 

Quando baixamos a guarda pelas dificuldades que temos à frente e somos capazes de, com humildade, dar um passo de cada vez, a mente não será capaz de nos dizer que é impossível se chegar ao destino. Por isso que aquele que simplesmente caminha chega, enquanto aquele que vê um objetivo e o persegue, muitas vezes desanima e retorna. 

É isso que vim a lhes dizer, de maneira humilde e simples, que a beleza está no caminhar e aquele que não olha ao horizonte, mas caminha, vê tudo com resignação de quem se adianta à sorte da penumbra que poderá o perturbar. 

Vejam que os desafios se fazem mais leves aos humildes de coração, pois esses não ficam olhando ao horizonte, buscando um objetivo, eles andam com paz e humildade. E para estes há apenas o trajeto, não há a distância a ser percorrida. E embora o alívio possa não vir imediatamente, sempre haverá um próximo passo ou quem sabe uma sombra a se sentar. 

Tudo é simplesmente nossa vibração, filhos, porque é isso que faz a realidade. Aqueles que querem chegar a um lugar estarão muitas vezes a se queixar das dificuldades, a ansiar, mas não aquele que anda com resignação. Estes poderão encontrar um fruto no caminho, ou uma flor a o renovar com seu perfume. A felicidade é mais simples para aqueles que não olham muito ao horizonte, que olham ao chão, pois não olhar a distância permite caminhar sem resmungar. 

Por isso, filhos, sempre que estivermos a olhar ao horizonte, a criar objetivos, a ver imagens daquilo que almejamos, estaremos correndo o risco de cair no desanimo da vida. Mas quando o caminhar se liberta do horizonte esse risco não existe, pois a liberdade de irmos adiante sem esperar o onde ou quanto, apenas indo em paz, estará sempre nos renovando. Não há pressa para esses, não é? 

Esses sabem que sempre haverá uma forma de se chegar. Sempre haverá um atalho, alguém que ajude e estenda a mão, que os empurre. Então jamais estarão sozinhos, jamais estarão desanimados pelas dificuldades do caminho e simplesmente continuarão com confiança. 

Nesse estado de resignação darão um passo e outro, sem muito bem saber para onde, sem pensar quantos ainda virão. E para esses é mais simples que o universo dê um jeito de diminuir a quantidade de passos. E como isso é feito? Não há explicação como será! Basta continuar a caminhada. 

Aquele que lamenta sua sorte fecha as portas da providência, diminui o que vibra e dificulta o que poderá vir até ele. 

Então, filhos, que possamos caminhar com essa soltura, sem lamentações, sem olhar quantos passos foram dados e também quantos virão. E que tenhamos a humildade do coração de simplesmente caminhar, atentando-nos aos frutos do caminho para que, com gratidão, possamos saboreá-los. 

E que assim possamos caminhar com alegria e paz interior. Que estejamos guarnecidos com o melhor que o caminho nos oferece no agora, porque isso é tudo que temos. 

Pai Joaquim de Aruanda 
  
Thiago Strapasson – 04/01/2018